segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Paredes públicas

No cubículo de biblioteca em que estou e durante as minhas pausas de atenção desviada para a parede em frente, leio as mensagens que se encontram mundialmente espalhadas em todas as paredes que não pertençam às nossas casas... estranhamente devo estar no cubículo dos românticos, tantos homens (acho) a escrever na parede que amam alguém (mulheres) e até fazem coraçoes! E outro que ama o seu clube de futebol (sim, também com um coração) e depois uns mais desesperados a pedir acçoes intimas expressas, sem coração, mas com desenhos anatómicos a acompanhar (pouco explícitos na minha opinião...ai o jeitinho para o desenho).

Como gosto das paredes da liberdade literária...

3 comentários:

Maldonado disse...

É um tipo de liberdade literária com a qual discordo, pois não é nada cívica. Somos livres de escrever o que quisermos, mas não em paredes públicas...
Acho curioso o facto de haver sempre "anúncios" nos W.C. públicos masculinos... Não sei se nos femininos não se passará o mesmo...

ecila disse...

Maldonado, algumas paredes também nao concordo, mas as das casas-de-banho ou as dos cubiculos nas bibliotecas representam a mini-rebeldia que aprecio nas pessoas (mais tipica nos jovens). E também de liberdade (escrever anuncios por exemplo) de expressao :-)

Maldonado disse...

Os "anúncios" a que me referia são do tipo classificados de jornal, cujo teor é sexual... :)